13 setembro 2020

Resenha: Óleo Corporal Lua Cheia, da Alma Lavada

A marca brasileira Alma Lavada foi uma das minhas melhores descobertas em 2020. Fundada em 2017 pelo casal Maíra Palha e Matheus Sanches, em Paty do Alferes, no estado do Rio de Janeiro, a empresa se apresenta como “uma marca de cosméticos naturais e artesanais que surgiu da necessidade incontrolável de viver uma vida mais respeitosa com a nossa natureza interior, o nosso planeta e os outros seres que aqui habitam”.

Óleo Corporal Lua Cheia, da Alma Lavada
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Um cosmético que me chamou a atenção desde o primeiro momento é o Óleo Corporal Lua Cheia, pela sua história e pela sua composição. No início da pandemia de covid-19, Maíra ficou bastante abatida, e Matheus formulou a sinergia utilizada nesse óleo aromaterápico para ajudá-la. Na descrição do produto no Instagram, ela explica que essa sinergia foi “criada para invocar potência, abundância, desejo pela vida, expressão do ser autêntico”. Maíra o batizou de Lua Cheia, e ele passou a fazer parte do catálogo da Alma Lavada em julho de 2020.

A composição é vegana, cruelty-freeorgânica e totalmente natural:
Óleo de semente de uva*, óleo essencial de alecrim, óleo essencial de pimenta rosa, óleo essencial de ylang ylang, óleo-resina de alecrim.
* Ingrediente orgânico. 
O óleo de semente de uva é certificado orgânico pela Ecocert. Confere uma cor ambarada ao produto final. Deixa a pele acetinada, sem a sensação de excesso de oleosidade de alguns óleos vegetais mais pesados, é rapidamente absorvido e tem um toque muito agradável.

O óleo essencial de ylang ylang nunca esteve entre os meus favoritos, mas achei que a sinergia desse óleo de massagem poderia ser interessante. A combinação do óleo essencial de ylang ylang com os óleos essenciais de alecrim e pimenta rosa resultou num aroma instigante, exótico e tonificante. Sinto que ele me proporciona um ânimo diferente, um impulso que me auxilia a iniciar, desenvolver e concluir tarefas que vinham sendo repetidamente adiadas. Tem me trazido mais energia, constância e concentração.

Estou fazendo automassagem com o Óleo Corporal Lua Cheia no início da tarde, às vezes escolho o período da manhã. Me dedico mais às áreas do pescoço, da nuca, do peito e dos ombros.

De vez em quando também adiciono um pouco do óleo à loção hidratante a ser usada logo após o banho, e passo nos lugares em que a minha pele é mais seca: pernas, coxas e cotovelos. Costumo fazer esse tipo de mistura no inverno, nos dias em que a umidade relativa do ar encontra-se mais baixa.

A marca menciona que o Óleo Corporal Lua Cheia pode ser utilizado como reparador de pontas. Já que o meu cabelo é liso e não está ressecado, não adotei esse modo de aplicação, pois finalizadores em óleo geralmente dão um aspecto meio colado aos meus fios. Mesmo assim, esse produto pode atuar muito bem como reparador de pontas em cabelos com outras características.

No meu cabelo, preferi usar o óleo para fazer umectação, deixando uma pequena quantidade agir no meio do comprimento e nas pontas, por pelo menos meia hora, antes de lavar o cabelo. Os fios se tornaram mais macios e bonitos. Ficaram também ainda mais lisos do que normalmente já são.

Esse óleo corporal não é indicado para gestantes e pessoas hipertensas.

O rótulo foi encomendado ao Ateliê Ciranda, localizado na pacata cidade de Miguel Pereira. O trabalho das idealizadoras do ateliê, Isabel Svoboda e Carina Carreira, ficou lindo e especialmente delicado.

A embalagem é reciclável, de vidro azul escuro, com 50ml de óleo de massagem, tampa de metal dourado e rótulo de papel. Comprei por R$48,00. O prazo de validade é estimado em 6 a 8 meses, dependendo das condições de armazenamento. O produto deve ser protegido da luz, do calor e da umidade.  

Os pedidos podem ser feitos por WhatsApp; o número para contato está disponível em https://linktr.ee/alma.lavada. Tirei todas as dúvidas que eu tinha com a Maíra, que atende com muita agilidade, precisão e simpatia. A empresa envia para todo o Brasil, pelos Correios, e um motoboy faz entregas semanais na cidade do Rio de Janeiro. Moro no Rio, pude aproveitar essa modalidade e fiquei muito satisfeita com a sua praticidade.

A origem da Alma Lavada está ligada a uma demanda pessoal. Na adolescência, Maíra começou a ter manchas na pele, causadas por ressecamento — um quadro que perdurou por um longo tempo. Recebeu o diagnóstico de dermatite atópica e a recomendação de aplicar hidratantes diariamente, por toda a vida. Experimentou vários hidratantes disponíveis na época, inclusive os mais caros. Aos poucos foi entendendo as composições e pesquisando, até passar a produzir versões naturais, para uso próprio.

Após o nascimento do seu filho, Maíra pediu demissão da empresa na qual trabalhava, para estar perto do bebê. Ela e seu companheiro Matheus fizeram cursos juntos, formações em aromaterapia, formações em terapias corporais. Maíra começou a fazer atendimentos, mas não queria mais ficar na cidade grande.

Ela cresceu no Rio de Janeiro, no entanto vivia numa rua ao pé da floresta da Tijuca, numa casa. Na idade adulta estava morando num apartamento, longe da natureza, e isso não lhe fazia bem, então ela se mudou com Matheus e o filho para um sítio em Paty do Alferes. Fez a formação Gaia Education, na ecovila Terra Una, e um estágio como voluntária na empresa Bhava Biocosméticos. Decidiu criar uma marca para comercializar os hidratantes que ela já preparava para si e para suas amigas. A resposta foi ótima, e Maíra e Matheus elaboraram outros itens.

Todos os produtos são naturais e biodegradáveis, e não são testados em animais. Não contêm parabenos, substâncias derivadas de petróleo e fragrâncias sintéticas, entre outros componentes potencialmente nocivos. São utilizados óleos essenciais ou extratos de plantas em todas as fórmulas. Boa parte deles é adquirida diretamente de fornecedores criteriosamente selecionados e cujas plantações e instalações foram visitadas pessoalmente por Matheus e Maíra. As manteigas vegetais são trazidas por uma distribuidora de matérias-primas amazônicas provenientes de manejo sustentável. Alguns ingredientes são orgânicos, como o óleo de palma, que é proveniente de manejo sustentável também. Quase todas as embalagens são de vidro, além de serem retornáveis.

catálogo da Alma Lavada possui uma variedade bem equilibrada de cosméticos, produtos de higiene e perfumes para o corpo, o rosto, o cabelo e o ambiente. Coincidentemente, eu mesma tenho um histórico de dermatite atópica, controlada com a transição que efetuei para produtos orgânicos e naturais, além de outras práticas relacionadas a um estilo de vida mais saudável, com novas formas de lidar com o estresse. Já escrevi detalhadamente sobre esse assunto em “Meu relato sobre dermatite atópica e o uso de produtos naturais com ingredientes orgânicos”. Contar com uma marca nacional que inclui cosméticos que efetivamente atendem às necessidades da pele atópica tem sido maravilhoso.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

Nenhum comentário: