segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Resenha: Condicionador de Castanha, da Ewé

Conheci o Condicionador de Castanha, da Ewé, por intermédio de uma amiga que é também leitora do Tantas Plantas e consumidora da Ewé. Ela me recomendou muito esse produto, e me deu um pouco para experimentar (muito obrigada de novo, Izabel!). Esse condicionador tem deixado o meu cabelo macio e desembaraçado desde a primeira aplicação. Estou no meu terceiro frasco e continuarei readquirindo-o mais vezes.

Pode ser usado de 3 maneiras: como condicionador, como finalizador e cosmético para hidratação capilar. Como os meus fios não apresentam tendência ao ressecamento, uso o produto apenas como condicionador. É indicado para diversos tipos de cabelo: seco, ressecado, misto, normal. A Ewé tem um grande número de clientes com cabelos cacheados e crespos, e também dá resultados notáveis em cabelos lisos (como o meu) e ondulados (como o da minha amiga).

Condicionador de Castanha, da Ewé
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

É elaborado em Salvador por Mona Soares, uma artesã formada em Farmácia e que sempre teve interesse em cosmética e medicina naturais. Ela descreve o produto da seguinte forma:
“Condicionador feito artesanalmente, livre de silicones, derivados do petróleo, conservantes agressivos (como os parabenos, liberadores de formol, BHT, TBHQ, BHA, etc.), umectantes de origem sintética e ingredientes de origem animal. Possui uma grande quantidade de ingredientes e extratos naturais, óleos orgânicos, proteína do trigo e umectantes naturais. Destaca-se o óleo de castanha-do-pará, um excelente condicionador, doador de brilho e nutrição aos cabelos secos, danificados, quimicamente processados e tingidos.”
A composição está disponível tanto na loja quanto no rótulo: 
Água, metossulfato de behentrimônio, óleo de castanha-do-pará*, óleo de pracaxi*, óleo de palmiste*, óleo de coco fracionado, óleo de jojoba, álcool cetílico, sorbitol, glicerina vegetal, extrato de mutamba, extrato de umburana, extrato de aloe vera, proteína hidrolisada do trigo, pantenol, etilexilglicerina, ácido benzóico, álcool benzílico, ácido cítrico, óleo-resina de alecrim, resina de benjoim, alfa-bisabolol.
* Ingredientes orgânicos.
O metossulfato de behentrimônio (behentrimonium methosulfate, no padrão INCI) presente na fórmula é um ingrediente sintético com classificação de risco 1 — baixo risco, sinalizado com a cor verde — na base de dados do EWG (Environmental Working Group).

Condicionador de Castanha consiste num líquido homogêneo e não muito espesso, cor de marfim. O cheiro suave e levemente doce me agrada muito, e é dado pelo aroma natural dos próprios ingredientes, com predominância da castanha-do-pará (também chamada de castanha-do-brasil). Esse produto capilar não conta com óleos essenciais. O texto “Perguntas frequentes à Ewé Cosméticos Naturais e Artesanais II” menciona que esse condicionador é um dos produtos da marca que podem ser usado por crianças, bebês e grávidas. É também adequado para low poo e no poo. Não é testado em animais e não contém ingredientes de origem animal.

Condicionador de Castanha, da Ewé
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Está custando R$37,00 na loja virtual da Ewé (http://www.ewealquimias.com.br/), que faz entregas em todo o Brasil. Minhas compras sempre chegaram direitinho aqui no Rio de Janeiro, pelo correio. A embalagem vem com 250ml, e é de plástico âmbar bem escuro, quase preto, o que evita consideravelmente o contato do o conteúdo com a luz. A tampa é preta e do tipo flip-top, que permite dosar bem a quantidade de produto a ser obtida a cada vez.

No meu cabelo comprido e não especialmente volumoso, o rendimento é muito bom, e uma porção um pouco maior do que a mostrada na foto acima é suficiente para espalhar nas pontas. Para contextualizar a imagem: a amostra foi colocada numa superfície pequena, de 3,5cm de diâmetro.

O rótulo principal é de papel bordô, com letras brancas. Há um segundo rótulo atrás, menor, branco com letras pretas. Juntos, abrangem os dados fundamentais: nome, logomarca, composição completa, volume, modo de usar e validade — que é de 12 meses, sendo recomendado usar o condicionador dentro de 3 meses após a abertura da embalagem. Gosto muito da identidade visual dos cosméticos da Ewé e da abordagem objetiva da comunicação da marca.

Informações detalhadas sobre a empresa e a sua fundadora estão publicadas no meu texto “Resenha: Manteiga de Murumuru, da Ewé”.

Outra resenha sobre o Condicionador de Castanha pode ser encontrada no blog Lookaholic. E Soraia Oliveira conta que o produto deixa o seu cabelo mais cacheado e hidratado, na seção “Dica da Leitora” do blog Projeto Beleza Saudável.

ATUALIZAÇÃO, 13/01/2016: Por precaução, a tampa do frasco vinha com lacre inviolável, igual ao que vemos em produtos farmacêuticos líquidos, e era acompanhada por uma segunda tampa preta, do tipo flip-top. Diante da constatação de que o condicionador não derrama durante o transporte pelo correio, o produto passou a ser enviado apenas com a tampa flip-top, vedada com fita washi, reduzindo o uso de plástico.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: Sabonete de Calêndula, da Ewé”
“Resenha: condicionador Shine & Care Hair Conditioner, da Lavera”
“Resenha: xampus e condicionadores da John Masters Organics”
“Resenha: Sabonete Argila Vermelha e Aloe Vera, da Reserva Folio”
“Resenha: óleo de jojoba orgânica, da Balm Balm e da Desert Essence, e óleo de coco orgânico, da Dr. Orgânico — para o cabelo, o corpo e o rosto”

domingo, 3 de janeiro de 2016

Resenha: bálsamo para rosto Blue Beauty Balm, da Isa’s Restoratives

Um dos melhores produtos para o rosto que já utilizei é o Blue Beauty Balm (Bálsamo de Beleza Azul, em tradução livre), da Isa’s Restoratives, uma marca artesanal e orgânica norte-americana, criada por uma brasileira radicada em Nova York. Suavizante, nutritivo, calmante e anti-inflamatório, esse bálsamo tem uma formulação orgânica100% natural e sem testes em animais, com destaque para ingredientes especiais como óleo de gergelim orgânico, manteiga de murumuru orgânico, manteiga de cupuaçu orgânico, óleo de semente de chia orgânica, óleo de farelo de arroz orgânico, óleo de borragem orgânica e óleos essenciais terapêuticos e caros como os de camomila azul, semente de cenoura e néroli, todos também orgânicos.

Blue Beauty Balm, da Isa’s Restoratives
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Experimentei o bálsamo pela primeira vez em julho de 2015, logo após quatro voos que me levaram do Rio de Janeiro a Kona, no Havaí. A viagem consumiu 20 horas de voo e outras tantas dentro de aeroportos, esperando pelas conexões, com estresse, cansaço e excesso de ar condicionado, e tive receio dos possíveis efeitos de tudo isso sobre a minha pele atópica. Felizmente eu havia encomendado, no ótimo site multimarcas Aurora Beauty, uma amostra do Blue Beauty Balm, que chegou antes de mim no endereço em que fiquei no Havaí. Aplicando esse bálsamo junto com o Creme Facial Noturno de Rosas, da marca brasileira Ikove, que eu havia levado na mala, meu rosto não ficou com qualquer dano, e pude aproveitar plenamente as férias ensolaradas.

Meses depois, mencionei o bálsamo no texto “Loja virtual: Aurora Beauty” e entrei em contato com a marca para elogiar o produto. Isa Brito, a fundadora da Isa’s Restoratives, contou que havia aperfeiçoado a fórmula, e gentilmente me enviou uma unidade do Blue Beauty Balm em tamanho normal. Venho usando-o diariamente, há três semanas e com excelentes resultados, logo após o Creme de Vitaminas, da brasileira Carol Cronemberger. Estou com 40 anos, e cada vez mais vejo que o melhor procedimento para hidratar a minha pele mista é utilizar dois tipos de produto (sempre naturais, com ingredientes orgânicos): um creme que contenha água ou hidrolatos em sua composição, e um bálsamo ou um óleo vegetal, fazendo um reforço nas partes mais secas.

Blue Beauty Balm possui uma linda cor azul clara, que pode ser vista através da embalagem de vidro incolor e transparente, com capacidade para 30ml, tampa de plástico preto e rótulos brancos. Acondicionada num saquinho de tecido branco, forma um conjunto minimalista e elegante. Essa coloração rara é dada naturalmente pelo óleo essencial de camomila azul orgânica, que alivia e refresca peles inflamadas e alérgicas.

Blue Beauty Balm, da Isa’s Restoratives
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Com um aroma delicado, deliciosamente relaxante, e uma textura macia, o Blue Beauty Balm tem sido ideal para usar à noite, no rosto todo, no pescoço e no colo. Aproveito o momento para fazer uma automassagem e abrandar tensões relacionadas ao bruxismo que me acompanha há um bom tempo. O bálsamo deixa a pele luminosa, agradável e equilibrada. Tem se mostrado muito útil também para proteger a pele das mudanças bruscas de temperatura e umidade, causadas pelo uso intensivo de ar condicionado — um artigo essencial nos dias bonitos e terrivelmente quentes de verão que estamos tendo no Rio ultimamente. Tudo indica que será especialmente reconfortante nas estações mais frias.

É um produto efetivamente terapêutico. Dez dias atrás, eu estava salteando legumes numa frigideira, quando fui queimada por uma gota de óleo muito quente, e o Blue Beauty Balm trouxe um alívio imediato. Continuei passando-o na queimadura, duas vezes por dia. A pele se recuperou perfeitamente, e não senti mais nenhuma dor.

Copiei abaixo a lista completa de ingredientes, e acrescentei os termos correspondentes em português.
Sesame oil* / óleo de gergelim*, murumuru butter* / manteiga de murumuru*, cupuaçu butter* / manteiga de cupuaçu*, babassu oil* / óleo de babaçu*, chia seed oil* / óleo de semente de chia*, andiroba oil* / óleo de andiroba*, rice bran oil* / óleo de farelo de arroz*, marshmallow* / alteia*, yarrow** / mil-folhas**, beeswax / cera de abelha, borage seed oil* / óleo de semente de borragem*, rosemary extract* / extrato de alecrim*, essential oils of blue chamomile* / óleos essenciais de camomila azul*, lavender* / lavanda*, carrot seed* / semente de cenoura*, neroli* / néroli*.
Gluten-free / sem glúten.
* Organic / * orgânico.
** Wildcrafted / ** colhido em seu habitat original.
A validade é de 8 a 12 meses, sendo que o produto pode permanecer bom para uso mesmo após mais tempo, graças ao extrato de alecrim, entre outros componentes. Está custando US$60,00, tanto no site da Isa’s Restoratives (http://www.isasrestoratives.com/) quanto na loja online Aurora Beauty (http://www.aurorabeauty.com/; mais informações em “Loja virtual: Aurora Beauty”). Ambas fazem envios para o mundo todo. O preço condiz com a excepcional qualidade e o alto rendimento do Blue Beauty Balm.

Isa Brito nasceu no estado de São Paulo e passou uma grande parte da sua infância numa fazenda em Minas Gerais, na qual aprendeu a cuidar dos animais e das hortas, e absorveu conhecimentos sobre plantas medicinais. Vive há muitos anos no Brooklyn, em Nova York, onde aprimorou essa base com estudos sobre herbalismo. Quando sua filha começou a se interessar por cosméticos e maquiagem, Isa notou que as marcas convencionais frequentemente usam ingredientes nocivos, e decidiu desenvolver produtos em casa, atraindo o interesse de amigos e parentes, que logo os recomendaram para outras pessoas. Com o lançamento do site http://www.isasrestoratives.com/, chegaram clientes de outras áreas dos Estados Unidos. Há três anos, saiu do emprego que tinha e passou a se dedicar integralmente à sua marca.

Foi um prazer tirar dúvidas com ela por email (info@isasrestoratives.com). Acessível, sofisticada e muito simpática, Isa Brito tem um amor pelo trabalho, uma experiência e uma dedicação que são evidentes. Várias plantas utilizadas são cultivadas em seu jardim, outras são colhidas na natureza, de forma sustentável. Todos os produtos da Isa’s Restoratives são elaborados à mão, em lotes reduzidos, dando preferência a fornecedores pequenos, conscienciosos e locais, com certificação orgânica ou fair trade.

Comprei meu presente de Natal para mim mesma no site da marca. Não vejo a hora de receber minha encomenda, trazida junto com pedidos de outros clientes pela própria fundadora, que virá ao Brasil na semana que vem. Os pacotes serão enviados pelo correio brasileiro, com frete gratuito.

OBSERVAÇÃO: Conforme informei nesse texto, usei esse bálsamo pela primeira vez e o citei no blog após usar uma amostra que foi encomendada por mim, como parte de uma compra que fiz numa loja virtual. Posteriormente, recebi o produto em tamanho normal, gentilmente enviado pela marca, sem custo algum. Escrevi essa resenha e adquiri outros produtos porque fiquei efetivamente muito satisfeita com os resultados, o atendimento e a proposta da marca.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: Liquid Gold Facial Serum, da Isa’s Restoratives”
“Resenha: óleo corporal Violetta Body Oil e loção de limpeza facial Liquid Clay Cleanser, da Isa’s Restoratives”
“Férias no Havaí, parte 2: restaurantes, produtos orgânicos e outras compras na Big Island”
“Bruxismo e massagem com os bálsamos Mugwort Balm e Sweet Birch Balm, da Phoenix Botanicals”
“Resenha: sais de banho Moroccan Rose Bathing Salts, da Ravenscourt Apothecary”
“Resenha: Sabonete de Massoia, da Ewé”

sábado, 2 de janeiro de 2016

Resenha: óleo de jojoba orgânica, da Balm Balm e da Desert Essence, e óleo de coco orgânico, da Dr. Orgânico — para o cabelo, o corpo e o rosto

Meu primeiro contato com o conceito de tratamento pré-xampu (também conhecido como umectação) ocorreu em 1996. Numa viagem pela Inglaterra, comprei uma máscara de azeite de oliva com argila cujas instruções de uso diziam que ela devia ser aplicada no cabelo seco e removida no banho após 20 minutos, lavando os fios normalmente. Adorei o resultado e o procedimento, apesar de ser completamente diferente do que eu estava acostumada — as máscaras de hidratação convencionais daqui costumam ser usadas na ordem inversa, com o cabelo molhado e já lavado.

Lembrei dessa experiência quando comecei a fazer umectação com óleos vegetais orgânicos, em 2011. Continuo mantendo esse hábito, tanto no couro cabeludo (à moda indiana) quanto apenas nos fios. Tento fazer o tratamento uma vez por semana, em casa. Nos últimos meses, tenho ficado muito satisfeita com uma mistura de 1 parte de óleo de jojoba orgânica e 2 partes de óleo de coco virgem e orgânico. Utilizo-a no cabelo, no rosto e no corpo.

Óleo de jojoba orgânica, da Desert Essence e da Balm Balm
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Meus óleos de jojoba orgânica são o Organic Jojoba Oil, da marca norte-americana Desert Essence, e o Jojoba Base Oil, da marca inglesa Balm Balm. Comprei o primeiro na iHerb (http://www.iherb.com/; mais informações sobre o site em “Loja virtual: iHerb”) e o segundo na Feel Unique (http://www.feelunique.com/; mais informações em “Loja virtual: Feel Unique”). As duas lojas entregam no Brasil, pelo correio. Já fiz várias compras em ambas.

Os dois itens possuem a mesma composição: óleo de jojoba (Simmondsia chinensis) orgânica. São prensados a frionão contêm aditivos e não são testados em animais. São produtos veganos100% naturais100% orgânicos; o óleo da Desert Essence é certificado pela USDA, já o óleo da Balm Balm é certificado pela Soil Association.

O óleo de jojoba na verdade é uma cera líquida, que pode se solidificar e se tornar opaca em baixas temperaturas. A coloração é amarela e intensa, como se pode ver na foto acima — o frasco da direita é incolor e translúcido, então a cor que se vê é do óleo propriamente dito. Tem um aroma discreto e característico, que acho mais agradável do que desagradável. Bastante estável, não se deteriora com facilidade. De acordo com informações dadas nos sites das duas marcas, esse óleo vegetal hidrata sem deixar resíduos (inclusive após o barbear), limpa poros obstruídos, ajuda a evitar a descamação do couro cabeludo, é adequado para todos os tipos de pele (até mesmo as sensíveis) e é indicado também para o cabelo. Não deve ser ingerido. O óleo de jojba é extraído das sementes de um arbusto nativo do sudoeste norte-americano.

Organic Jojoba Oil, da Desert Essence, vem numa garrafinha de plástico, sem cor e sem BPA (bisfenol-A), com tampa plástica marrom, do tipo flip-top, contendo 118ml. Está custando US$11,99 na iHerb. O Jojoba Base Oil, da Balm Balm, vem numa garrafinha de vidro âmbar, com tampa de plástico preto, e 100ml. Custa £12,60 na Feel Unique. Ambos possuem validades longas, de anos. As duas embalagens são boas para reutilização, e a da Balm Balm é superior, por ser de vidro, escura e melhor para transportar em viagens, pois não vaza. Já procurei óleo de jojoba orgânica em lojas nacionais e só o encontrei no site brasileiro da marca alemã Alva. O preço do vidro de 125ml é de R$98,90. É certificado pela Ecocert.

Óleo de coco orgânico, da Dr. Orgânico
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Já o Óleo de Coco Virgem Orgânico que uso é da marca brasileira Dr. Orgânico, que importa o produto das Filipinas. Possui certificação orgânica do USDA, da Ecocert e do SisOrg (Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Aprecio o aroma suave do óleo de coco dessa marca. Contém um único ingrediente: óleo de coco (Cocos nucifera) orgânico. Também é um produto vegano100% natural100% orgâniconão contém conservantesnão é testado em animais e não é refinado, e sim prensado a frio. Tem longa validade.

Pode ser ingerido e usado em receitas culinárias. O óleo de coco é incolor e se torna sólido e opaco em temperaturas abaixo de 27 graus. Para que ele volte a ser líquido e transparente, basta colocar o vidro num recipiente com água morna por alguns minutos. Somado ao óleo de jojoba, permanece líquido em dias mais amenos.

Está disponível em vários tamanhos. O pote que aparece na foto é de vidro sem cor, com tampa de rosquear feita de metal. Contém 300ml de óleo de coco orgânico e custa R$39,00 na loja virtual da Dr. Orgânico (http://loja.dr-organico.com.br/). Rende muitas e muitas aplicações, e é ideal para reutilizar na cozinha. Compro na Loja Orgânica, que integra o Circuito Carioca de Feiras Orgânicas (o telefone para informações e agendamento de entregas é (21) 3238-5190), e na Casa Vitana (Rua João Lira 98, Leblon, telefone (21) 2540-5303).

Quanto às formas de usar a combinação de 1 parte de óleo de jojoba orgânica e 2 partes de óleo de coco virgem e orgânico, as minhas favoritas são:

  • Umectação: Espalho com os dedos aproximadamente 5ml da mistura no couro cabeludo e nas pontas dos cabelos, massageando lentamente. No procedimento, os óleos acabam cobrindo também o comprimento dos fios. Pode-se usar uma quantidade maior, mas prefiro não exagerar. Eventualmente coloco os óleos somente no cabelo. Depois de uma hora — ou menos, se estiver com pouco tempo —, enxáguo o excesso de óleo no banho, com água morna, e uso os meus produtos capilares habituais: xampu sólido (um tipo de sabonete natural que pode ser utilizado no cabelo) e condicionador. Deixo secar naturalmente. Ao final, o cabelo fica fortalecido, maleável e bem tratado. Em geral, uma aplicação de xampu sólido é suficiente para mim. Acho que isso se deve à estrutura do meu cabelo, à minha técnica de massagem e lavagem, e ao meu chuveiro, que é razoavelmente potente. Lavo o meu cabelo com sabonetes naturais e artesanais diariamente, desde dezembro de 2011. A aplicação é bastante simples: passo a barra de sabonete na cabeça bem molhada, como se estivesse pintando faixas (com atenção especial à parte de trás, perto da nuca), em seguida massageio com as pontas dos dedos, levando a espuma por todo o comprimento do cabelo, aguardo um minuto e enxáguo com água morna.
  • Remoção de maquiagem: Passados na pele com um chumaço de algodão ou um lenço de papel, sem esfregar, os óleos retiram toda a maquiagem, incluindo máscara para cílios.
  • Hidratação: Depois de testar várias formas de hidratação, percebi que o melhor para a minha pele com tendência a dermatite atópica é passar uma loção e em seguida óleos ou manteigas vegetais nas áreas mais ressecadas, como as pernas, os joelhos, os cotovelos e as bochechas. O óleo de jojoba e o óleo de coco são ótimos para fazer esse reforço e manter a pele saudável e livre de lesões.
  • Depilação: Os dois óleos me dão bons resultados tanto no momento de depilar, facilitando muito o deslizar da lâmina, quanto após a depilação, deixando a pele macia e com um leve brilho acetinado.
  • Massagem: Gosto bastante dessa mistura de óleos para fazer massagens corporais e faciais (com ou sem óleos essenciais). São óleos carreadores muito usados em aromaterapia e na perfumaria artesanal — principalmento o óleo de jojoba.

Tanto o óleo de jojoba orgânico quanto o óleo de coco virgem e orgânico desempenham bem as funções mencionadas se forem usados individualmente, mas para mim funcionam ainda melhor quando mesclados. Gosto de somar o óleo de jojoba ao óleo de coco pelas seguintes razões:

  • Acho mais fácil tirar o excesso da mistura do cabelo, em comparação com os óleos separados.
  • Sinto que essa combinação é mais facilmente absorvida pela pele.
  • Fazendo uma sinergia com os dois óleos, aproveito os benefícios de ambos.
  • Amo o cheiro natural do óleo de coco, e esse é o aroma predominante da sua combinação com o óleo de jojoba.

Cada pessoa tem um conjunto específico de características e preferências. Outros óleos vegetais podem usados para as mesmas finalidades, e o guia “Aromaterapia: onde encontrar óleos vegetais orgânicos” pode ser útil para quem também tem interesse em opções orgânicas. A título de referência: meu cabelo é normal, com tendência à oleosidade na raiz, liso, castanho escuro e mais grosso do que fino; minha pele é seca no corpo e mista no rosto, com nariz oleoso e bochechas secas. Tenho conseguido cuidar bem da minha pele atópica com produtos orgânicos e a adoção de medidas para tornar a minha rotina mais saudável e menos estressante; os detalhes podem ser vistos no texto “Meu relato sobre dermatite atópica e o uso de produtos naturais com ingredientes orgânicos”.

OBSERVAÇÃO: Alergias e irritações na pele podem ser desencadeadas por uma infinidade de substâncias. Antes de começar a usar qualquer produto, inclusive os naturais e orgânicos, convém fazer um teste, aplicando uma camada numa área como o antebraço, perto da dobra do cotovelo, e observando se ocorre alguma reação durante o contato com o produto por um grande número de horas.